Autores

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
AULA PARTICULAR DE INFORMÁTICA INICIANTES E 3ª IDADE. Aulas em domicilio e on-line, totalmente práticas. Aprenda Word, Excel, Internet, Enviar e receber e-mail, Facebook, Skype e muito mais. Área de Atendimento:Zona Sul RJ Para confirmar disponibilidade do local e horários entre em contato: 21 96853-2720

Aluguel apto de 1 e 2 quartos temporada Copacabana.

Meus anúncios na OLX

sábado, 21 de maio de 2011

População da Rocinha já é maior que a de 92% das cidades brasileiras


Uma única favela carioca possui mais moradores que 92%  dos municípios brasileiros, ou seja, 5.138 cidades, segundo dados do censo 2010 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Os 69.356 moradores da Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro, têm à sua disposição dentro da própria comunidade comércio variado, bancos e postos de saúde. Esses são alguns dos pontos positivos que explicam o crescimento de 23% em número de habitantes nos últimos dez anos, enquanto a cidade do Rio cresceu 7,9%.
Nascido e criado na favela, o fundador do portal Rocinha.org, Ocimar Santos, de 44 anos, afirma que existem até pessoas morando nos subsolos, já que o crescimento horizontal da comunidade foi limitado com muretas pela prefeitura.
- O aumento do número de habitantes da Rocinha é silencioso, pois a população cresce verticalmente, e não só para cima. Há pessoas morando no alto de lajes ou no subsolo, debaixo de pedra.
Santos diz ainda que o perfil do morador da Rocinha é difícil de definir, pois há pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza e outras com condições para morar em qualquer bairro do Rio. Ele vê a favela como uma cidade popular, com internet gratuita, complexo esportivo, escola de samba e casa de show.
A coordenadora executiva da ONG  (Organização Não-Governamental) Rio Como Vamos, Thereza Lobo, explica que uma das razões para o aumento populacional na comunidade é a sua localização.
- A Rocinha está em uma área de confluência de mercado de trabalho, de transporte e de lazer [praias e shoppings]. Às vezes, temos uma ideia velha do que é favela, pois ela também tem algo a oferecer para seus moradores e não apenas problemas.
O administrador regional da Rocinha, ligado à subprefeitura da zona sul, Jorge Collaro, conta que as famílias que moram na favela ainda recebem parentes de outros Estados, que vêm tentar a vida no Rio. Para ele, isso explica ainda mais o crescimento populacional na comunidade.
- A Rocinha é predominantemente nordestina, e cada morador vai trazendo aos poucos o resto da família. As gerações vão ficando e aumentando. As pessoas que estão em áreas de risco não querem sair para outra comunidade, até porque a maioria da mão de obra da Rocinha consegue trabalho no seu entorno.
O pesquisador Renato Balbim, do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), aponta que os investimentos públicos que valorizam a favela devem vir acompanhados de uma política de moradia.
- Os processos recentes de urbanização de certas favelas, como o PAC [Programa de Aceleração do Crescimento], aumentam o interesse por essas localidades beneficiadas. E cria-se, assim, outro problema: o risco de perder rapidamente as melhorias com a alta concentração de pessoas.
Problemas com o crescimento populacional
As mais de 13 mil pessoas que passaram a morar na Rocinha na última década agravaram problemas como ventilação, alargamento de vias e condições sanitárias. O coordenador Collaro afirma que as principais demandas da população local são a limpeza dos rios, a iluminação e o asfaltamento das ruas.
- A população não pode aumentar mais na Rocinha, pois, mesmo tendo 750 mil m², não há mais espaço.
A solução, para Balbim, depende da intervenção do poder público para construir habitações com preço acessível às pessoas que vivem em favelas, em uma localidade que não seja excluída do resto da cidade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários:

Lembramos que não somos responsáveis por nenhum evento/produto que por ventura esteja sendo mencionado. O que está escrito na caixa de comentários é gerado pelos próprios usuários e expressam suas próprias opiniões. Reservamos-nos ao direito de apagar qualquer comentário, sem aviso prévio, caso julguemos necessário para o bom funcionamento desse blog.

APOIO