Autores

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
AULA PARTICULAR DE INFORMÁTICA INICIANTES E 3ª IDADE. Aulas em domicilio e on-line, totalmente práticas. Aprenda Word, Excel, Internet, Enviar e receber e-mail, Facebook, Skype e muito mais. Área de Atendimento:Zona Sul RJ Para confirmar disponibilidade do local e horários entre em contato: 21 96853-2720

Aluguel apto de 1 e 2 quartos temporada Copacabana.

Meus anúncios na OLX

terça-feira, 31 de maio de 2011

Problemas na gravidez matam uma mulher a cada dois dias no Rio, diz estudo



O Estado do Rio de Janeiro registrou 198 mortes de mulheres grávidas no ano de 2009 -o que representa uma morte a cada quase dois dias. O índice do Comitê Estadual de Prevenção e Controle da Mortalidade Materna foi apresentado na última segunda-feira (30) à Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).
Segundo a presidente da comissão, a deputada Inês Pandeló (PT), o número é maior do que do último estudo realizado. No ano de 2008 foram registradas 159, enquanto em 2009 foram 198. Para deputada existem algumas explicações para esse aumento.
- Uma explicação é a epidemia de H1N1 [nome do vírus da gripe suína]. Outra é que houve uma mudança no método de investigação das mortes. Pela primeira vez está sendo investigadas as causas indiretas que provocam a morte de grávidas.  O estudo foi feito levando em conta 42 dias antes e depois da gravidez.
As maiores causas de mortes em mulheres grávidas são hemorragia, pressão alta e abortos. Pela primeira vez o estudo apontou a hemorragia como principal causa das mortes, nas pesquisas anteriores a pressão alta era a principal vilã das grávidas.
- A falta de qualidade no pré-natal é um problema. Ele acontece, mas falha em muitas vezes. Problemas como pressão alta poderiam ser diagnosticados e medicados. Segundo a ONU [União das Nações Unidas], 98% das mortes das gestantes poderiam ser evitadas.
O estudo mostra que as principais vítimas durante a gravidez são mulheres negras, que já tem maior propensão a pressão alta, e as mães com menor grau de escolaridade.
- A pouca escolaridade dificulta o entendimento da importância dos procedimentos médicos que devem ser realizados durante o pré-natal.
A deputada alerta ainda que o Estado tem uma grande dificuldade de atender os casos de baixo risco.
- A mulher quando realiza o pré-natal não sabe em qual hospital vai ter o filho, não são raras as histórias de mães que dão à luz no meio da rua ou em táxis. A falta de maternidades torna um caso simples em alto risco.
Outro problema segundo a deputada é o alto índice de cesariana realizados, não só no Estado, mas em todo o Brasil.
- A cesariana foi vendida, através de propagandas, como o método mais moderno. Mas na verdade ela foi criada para ajudar quem está com problema. Soluções seriam mais casas de partos, como a que temos em Realengo. Ela é a única no Estado, precisamos de mais iniciativas desse tipo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários:

Lembramos que não somos responsáveis por nenhum evento/produto que por ventura esteja sendo mencionado. O que está escrito na caixa de comentários é gerado pelos próprios usuários e expressam suas próprias opiniões. Reservamos-nos ao direito de apagar qualquer comentário, sem aviso prévio, caso julguemos necessário para o bom funcionamento desse blog.

APOIO