Autores

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
AULA PARTICULAR DE INFORMÁTICA INICIANTES E 3ª IDADE. Aulas em domicilio e on-line, totalmente práticas. Aprenda Word, Excel, Internet, Enviar e receber e-mail, Facebook, Skype e muito mais. Área de Atendimento:Zona Sul RJ Para confirmar disponibilidade do local e horários entre em contato: 21 96853-2720

Aluguel apto de 1 e 2 quartos temporada Copacabana.

Meus anúncios na OLX

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Com cartilha do cartunista Ziraldo, crianças da Mangueira aprendem noções de cidadania



 

Entre picolés e balões distribuídos na cerimônia de inauguração da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) da Mangueira, na zona norte do Rio de Janeiro, quinta-feira (3), as crianças receberam também uma cartilha com orientações sobre cidadania. O livreto, assinado por Ziraldo, retrata a chegada dos policiais militares como marco para a união entre as favelas e o restante do Rio de Janeiro. Para o autor, significa o fim do que chama de “cidade partida”.
- Ser cidadão é a gente ter conhecimento dos nossos direitos e dos nossos deveres. Ah, sim: e é, também, saber exigir esses direitos e cumprir nossos deveres.
As páginas seguintes mostram a ocupação dos PMs. Diante de um cenário com um muro pichado com figuras de traficantes armados, o texto relata o fim do medo. Os criminosos são chamados de falsos amigos e falsos heróis: "Breve vão acabar de vez – e para sempre – o medo, a insegurança, a desconfiança, a guerra, os falsos amigos e os falsos heróis".

Com a comunidade já tomada pela UPP, a paz no caminho até a escola e o direito de ir e vir são ressaltados. "Agora nós podemos brincar. Pular, dançar, divertir-nos como crianças realmente seguras, o que deixa o pai e a mãe muito felizes" - diz um trecho.
As páginas finais do livreto citam os policiais como os “amigos verdadeiros” e projetam um futuro mais digno aos moradores da favela: "Agora podemos contar com os verdadeiros amigos. Atrás deles virão educação, saúde, mais limpeza, mais justiça, mais conforto e mais segurança".
A figura de um policial sorridente resume a moral da história com a frase “tudo por uma cidade inteira”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários:

Lembramos que não somos responsáveis por nenhum evento/produto que por ventura esteja sendo mencionado. O que está escrito na caixa de comentários é gerado pelos próprios usuários e expressam suas próprias opiniões. Reservamos-nos ao direito de apagar qualquer comentário, sem aviso prévio, caso julguemos necessário para o bom funcionamento desse blog.

APOIO